PROPRIEDADE INTELECTUAL

Fotografias, videos e informações diversas, motivado pelo desejo de mostrar ao mundo a cultura, a inteligência, os sonhos e as realizações de um povo pacato.

«É livre a expressão da actividade intelectual, artística, política, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença» Ponto 1. Artigo 42.º da Constituição da República de Angola.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

SAIBA MAIS SOBRE O KWANZA NORTE


Depois de Cabinda, Kwanza Norte é mais pequena província de Angola, com uma extensão territorial de 20.159 Km2. É limitada a Norte pela província do Uíje; a Leste pela província de Malanje; ao Sul pela província do Kwanza Sul e do Bengo; a Oeste com o Bengo.

O território é banhado por numerosos cursos de água, dentre os quais se destacam alguns rios importantes: o Cuanza, que lhe serve de fronteira pelo Sul; o Lucala que nascendo ao Norte da província, no planalto de Camabatela, junto da fronteira com o município do Negage, vai correndo para o Sul, entra na província de Malanje e volta ao Kwanza Norte, no município do Lucala, desaguando no rio Cuanza justamente na região de Massangano.

O rio Zenza, nasce a Sul de Camabatela, atravessa os municípios de Samba Cajú e Gonguembo, entrando na província do Bengo, onde ganha o nome de rio Bengo.

A variedade de climas torna o território também muito diversificado tanto nas produções agrícolas como na geografia humana. A zona Sul das margens do Cuanza e Lucala, muito quentes, tem uma baixa densidade populacional, sobretudo na comuna do Zenza do Ytombe. As terras húmidas do Dondo prestam-se à cultura de diversas frutas africanas.

O planalto de Samba Cajú, mas sobretudo o de Camabatela, são terras muito propícias ao desenvolvimento agro-pecuário, cujo empresariado nacional e estrangeiro têm vindo a investir neste sector, oferecendo emprego a centenas de cidadãos.

A província dispõe de boas vias de comunicação. O Caminho de Ferro de Luanda a Malanje, hoje em reabilitação, atravessa-a na direcção Oeste-Leste, desde Maria Teresa até para lá do Lucala, com um ramal de Zenza do Ytombe até ao Dondo, abrangendo um percurso total de cerca de 200 quilómetros. A rede rodoviária, de Maria Teresa ao Dondo, (com ramificação para o Sul), Ndalatando e Lucala (com ramificação para o Norte da província até para lá de Camabatela, em ligação com o Uíje), compreende mais de 500 Km de estrada. Actualmente, o Governo está a envidar esforços para a reconstrução da estrada que liga Maria Teresa a Ndalatando, vulgarmente conhecida por "Troço da Trombeta", ou ainda, "Picada", que reduz a distância de 49 Km entre a capital do país e Ndalatando, que pela via da estrada nacional nº230 compreende 250 Km.

A população do Kwanza Norte pertence em grande maioria à tribo quimbundo, falando a respectiva língua. É também a província em que as populações autóctones de há mais tempo fazem uso do português que falam e escrevem razoavelmente. Nos municípios de Bolongongo, Quiculungo e Banga há um sub-grupo de (mahungos), aparentando com os quicongos, com dialecto próprio.

O autor deste blogger Gaspar José "Clinton", nasceu a 10 de Março de 1981, em Bolongongo, pertencendo assim ao sub-grupo mahungo, mas seu pai António Didila, defende que Clinton pertence a um sub-grupo misto a que pessoalmente preferiu denominar quimbundo-hungo, pois o pai é do grupo quimbundo e a mãe faz parte dos manhungos.

Penso que não falei tudo sobre a província, uma vez que há outros dados históricos que estão em falta para que o visitante desta página saiba ao pormenor o que é o Kwanza Norte na sua generalidade, mas espero ter contribuido bastante para a divulgação da minha linda e rica província, cujo povo e Governo estão unidos para a sua reconstrução e desenvolvimento.