PROPRIEDADE INTELECTUAL

Fotografias, videos e informações diversas, motivado pelo desejo de mostrar ao mundo a cultura, a inteligência, os sonhos e as realizações de um povo pacato.

«É livre a expressão da actividade intelectual, artística, política, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença» Ponto 1. Artigo 42.º da Constituição da República de Angola.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

AUMENTOU A PRODUÇÃO DA BANANA EM BOLONGONGO


A banana é o quarto produto alimentar mais produzido no mundo, após arroz, trigo e milho. É cultivada praticamente todas as regiões tropicais do planeta, das quais se destacam partes do território angolano.

O termo "banana" refere-se às frutas de polpa macia e doce que podem ser consumidas cruas. Contudo, existem variedades de cultivo, de polpa mais rija e de casca mais firme e verde, geralmente designadas por plátanos, banana-pão, que são consumidas (assadas, cozidas ou fritas), constituindo o alimento base de muitas populações de regiões tropicais.

No município de Bolongongo, a bana é cultivada há centenas de anos, pois a população que é maioritariamente camponesa, sempre optou em reservar porções consideráveis de hectares para a produção de diversos tipos de bananas, uma vez que para além do consumo que referi atrás, ela passou a ser transformada para o fabrico de bebidas caseiras, realçando-se o “caporroto” ou “capuca”, uma espécie de álcool derivado da banana que é vendido em casas comerciais e tradicionalmente utilizada na resolução de problemas familiares, convívios, rituais e outros momentos.

As bananas formam-se em cachos na parte superior dos "pseudocaules" que nascem de um verdadeiro caule subterrâneo (rizoma ou cormo) cuja longevidade chega a 15 anos ou mais. Depois da maturação e colheita do cacho de bananas, o pseudocaule morre (ou é cortado), dando origem, posteriormente, a um novo pseudocaule.

Não seria demais recordar que durante a minha infância, vivida quase toda na pacata vila de Bolongongo, a banana assada com amendoim torrado, sempre foi uma alternativa valiosa quando pretendia afastar os golpes produzidos pela fome ao meio dia ou logo pela manhã, quando a refeição oficial (funge) se mantivesse distante da mesa. Trata-se de um hábito alimentar que até hoje não dispenso.

As poucas unidades hoteleiras do país que visitei, quer em Luanda, Malanje, Kwanza-Sul, Bié, Benguela, Kwanza Norte, Bengo e Uíje, surpreenderam-me pela positiva, pois vi banana servida como sobremesa durante as refeições.

As bananas são fonte apreciável de vitamina A, vitamina C, fibras e potássio, cujo cultivo de pelo homem teve início no sudeste da Ásia e é mencionada em documentos escritos, pela primeira vez na história, em textos budistas de cerca de 600 a.C.. Sabe-se que Alexandre, o Grande comeu bananas nos vales da Índia em 327 a.C.. Só se encontram, porém, plantações organizadas de banana a partir do século III d.C. na China. Em 650, os conquistadores Islâmicos levaram-na para a Palestina. Foram, provavelmente, os mercadores árabes que a divulgaram por grande parte de África, provavelmente até à Gâmbia. A palavra banana teve origem na África Ocidental e, adoptada pelos portugueses e espanhóis, veio a ser usada, por exemplo, na língua inglesa.

Na região onde nasci e cresci, a exemplo de outras regiões vizinhas e não só, na estação chuvosa, alguns camponeses, surpreendidos pela chuva nos campos de cultivo, socorrem-se das folhas de bananeiras que geralmente são largas e compridas, utilizando-as para cobrir a cabeça, evitando ou minimizando assim o impacto das gotas de água vindas das torneiras celestiais de São Pedro.

Actualmente, os níveis de produção da banana em Bolongongo, sobretudo nas regiões de Terreiro e Kikiemba, têm crescido de forma aceitável, garantindo maior oferta para o comércio local e exportação para as cidades de Ndalatando e Luanda, mas neste caso com algumas limitações decorrentes das condições desfavoráveis em que se encontram as vias de acesso para escoação do referido produto.

Sem comentários: